Vale Glaciar de Alforfa

VALE GLACIAR DE ALFORFA

Situado na projeção oposta do Vale Glaciário de Manteigas, este foi originado por um glaciar que atingiu os 5,5 km de comprimento e se dissolveu a uma altitude de 800 m.

A sua maior exposição solar em relação ao vale oposto justifica esta diferença de altitude no termino do glaciar (120 m). No entanto, este é o vale onde melhor se podem observar os terraços de acumulação proglaciária, acumulações desordenadas de rochas e blocos de grandes dimensões localizados à frente das antigas línguas glaciárias.

Os depósitos mais importantes situam-se a jusante da confluência do Vale da Estrela e do Vale de Alforfa, na junção da Ribeira das Cortes.

Para este Vale Glaciário propõem-se duas possibilidades que deixamos a cargo do visitante: percorrê-lo na totalidade e aproveitar toda a magnitude do trajeto ou simplesmente fazer o percurso de automóvel, sendo este o mais cómodo e viável para as pessoas com pouca disponibilidade de tempo.

Percurso Pedestre: Duração: 4: 50h Distância: 13 km. Desde o Covão, siga o trilho (assinalado no mapa) a Leste da torre descendo as vertentes abruptas do Covão do Ferro e passando à direita da Barragem do Padre Alfredo cujas águas abastecem Unhais da Serra.

Após a barragem continue pelo caminho que desce a encosta da nascente do Terroeiro por entre piornais, urzes e amontoados de pedras que rolaram da vertente e por entre as quais se ouve o correr das águas.

Continue pelo caminho ao longo da encosta percorrendo o Covão da Mulher, entre ravinas e depósitos na vertente chegando ao canal.

Siga até à antiga vila de Belo Horizonte observando as suas características que são quase idênticas às de há milhares de anos. Neste local o vale atingiu uma espessura de gelo superior a 200 metros.

Continue agora o percurso avistando as rochas transportadas por entre a vegetação na junção da Ribeira das Cortes entre o Vale Glaciário da Estrela e o Vale Glaciário de Alforfa, na vertente oposta àquela onde nos encontramos.

Siga até a Cabeçada e vire à direita entrando no caminho florestal que desce a encosta que desce até ao Cruzeiro. Continue pela estrada até Unhais da Serra onde o percurso termina.

Percurso de Automóvel: Duração: 50 m Distância: 14 km. (aconselhável o uso de um veiculo todo-o-terreno) Saia da Torre em direção à Covilhã. Passe pelo Cântaro Magro e, logo à frente pela Nossa Senhora da Estrela. Siga entre curvas e contracurvas até se deparar com o Poio Judeu à esquerda. Contorne a Nave de Santo António e entre na estrada à direita. Entretanto no Covão da Mulher, siga a estrada (um pouco desgastada) avistando as rochas transportadas da vertente oposta àquela onde nos encontramos. Continue pela estrada. Passe a antiga vila de Belo Horizonte e a Cabeçada até chegar a Unhais da Serra onde o percurso termina.