Rota da Lã – Percurso 2

Este percurso da Ribeira da Carpinteira, tem início no Núcleo da Real Fábrica de Panos do Museu de Lanifícios da Universidade da Beira Interior. Neste local, onde em meados do século XVIII existiam já oficinas de tecelagem e de acabamentos, foi construída a segunda grande manufatura de Estado, destinada a constituir-se como fábrica modelo, concentrando as várias operações de fabrico, e como motor de desenvolvimento da indústria local. Para a sua construção, o rei D. José I deu autorização para que se utilizassem as pedras da muralha medieval da povoação, que se encontravam caídas na sequência dos estragos do terramoto de 1755. Ao serviço desta Fábrica Real trabalhavam, em 1803, mais de três mil operários, contando com 356 trabalhadores só nas instalações principais da fábrica e outros 219 trabalhadores espalhados pelas escolas de cardação e fiação, num raio de influência que compreendia Penamacor, Castelejo, Casteleiro, Alpedrinha, Lardosa, S. Vicente da Beira, S. Miguel d’Acha, S. Gião e Penalva. Contabilizavam-se ainda 1 375 mulheres, que possuíam, em suas casas, rodas pertencentes à Real fábrica, onde exerciam trabalho domiciliário. Na sua dependência encontrava-se também a Real Fábrica do Fundão, onde laboravam mais 147 operários e 1 355 fiadeiras em regime doméstico na Vila e nos arredores, em diversas escolas de fiação.

(Poderá consultar no documento PDF todo o percurso)