Vale Glaciar do Covão Grande

Vale Glaciar do Covão Grande – Margem da Lagoa Comprida

Duração: 5h30min Distância: 17km.

Existem duas possibilidades que deixamos a cargo do visitante: percorrê-lo na totalidade pelo trilho e aproveitar toda a magnitude do trajeto ou fazer o percurso de automóvel pela estrada que segue até à Lagoa Comprida, sendo possível uma caminhada pelo vale propriamente dito.

Percurso Pedestre: com início na Torre pelo trilho (assinalado no mapa) a Norte, atravesse a estrada em direção ao Covão Grande e entre no Planalto Glaciário. Siga à esquerda do Cântaro Gordo, percorra as Salgadeiras e continue pelo trilho que segue até ao cume. Estamos a 1858 metros.

A paisagem especificamente glaciária é de fácil perceção, uma vez que as rochas foram quase totalmente desprovidas do manto vegetal que as cobria. Do cume, desça pelo trilho à esquerda que nos leva aos Charcos. Daqui, siga novamente à esquerda, agora por uma pequena estrada de macadame. Continue por entre uma centena de blocos erráticos depositados sistematicamente sobre as superfícies rochosas, acompanhando toda a extensão desta margem da Lagoa Comprida. Passe ao lado do Centro de Vendas, atravesse novamente a estrada e desça pelo Covão da Areia, entrando no Vale Glaciário propriamente dito, onde as rochas polidas das vertentes abruptas encantam pela sua magnitude. O trilho que desce para a Ribeira da Nave praticamente desaparece, pelo que é necessária uma atenção maior neste local. Avance por entre as pastagens na Nave Travessa, de onde provinha uma espetacular língua glaciária que alimentava o vale. Continue a caminhar passando pelo Covão do Morgado e seguindo a ribeira até ao Vale da Caniça onde o glaciar terminava. Siga pelo trilho atravessando a ribeira para a outra margem e chegue ao Sumo da Caniça onde se encontra uma ribeira subterrânea em consequência do facto do leito estar entulhado de blocos graníticos que rolaram das encostas. Desça pelo caminho estreito e difícil, por um passadiço sobre o canal e vire à esquerda. Passe pelo Buraco da Moura e caminhe pela ponte de Jugais, entrando num caminho largo e bem conservado que nos leva até à Vila da Lapa dos Dinheiros onde o percurso chega ao fim.

Percurso de Automóvel: (Até à Lagoa Comprida, onde o percurso é completado caminhando) Duração: 3h20min Distância: 18km (11 pela estrada e 7 pelo trilho pedestre).

Saia da Torre pela estrada, virando à esquerda, em sentido a Seia. Observe o Vale Glaciário de Loriga e siga em direção à Lagoa Comprida. A partir daí é inevitável estacionar o carro ao lado do Centro de Vendas. Prepare-se para a caminhada… O trilho que desce para a Ribeira da Nave, entra por entre as vertentes abruptas de rochas polidas e estriadas pelo gelo. É necessária uma maior atenção neste local, pois o trilho quase desaparece por entre a vegetação. À esquerda observa-se uma língua glaciária que alimentava o vale, é a Nave Travessa com os rebanhos e pastores típicos da região. Seguindo a ribeira passe pelo Covão do Morgado e continue a caminhar. Atravesse a ribeira para o lado direito, onde se encontra o Sumo da Caniça e passe pelo Buraco da Moura, seguindo à esquerda do entroncamento dos trilhos. Caminhe até à Vila da Lapa dos Dinheiros onde terminava o glaciar e prepare-se para o inevitável regresso.

Esteja certo que a bela paisagem compensará a dificuldade do trajeto!