Vale Glaciar do Covão do Urso

Vale Glaciar do Covão do Urso – Moreia do Covão do Urso.

Duração: 5h45min Distância: 20km.

A morfologia da montanha permite-nos percorrê-lo exclusivamente pelo trilho assinalado no mapa, uma vez que não passam estradas contínuas por todo o vale. Sendo somente possível uma longínqua observação do vale a partir da EN 339 que conduz ao Sabugueiro.

Percurso Pedestre: Saia da Torre pelo trilho a Norte, atravesse a estrada e entre no Covão Grande, passando pelo Cântaro Gordo e avistando o imenso Vale da Candieira, à direita, suspenso sobre o Vale Glaciário do Zêzere. Percorra as Salgadeiras e siga por entre os cervunais e zimbrais até chegar ao marco geodésico do Cume. Desça pelo trilho que segue à esquerda e avistando a Lagoa Comprida prossiga para os Charcos. Vire à direita, agora por uma pequena estrada de macadame. Passe pelo Covão dos Conchos e siga por entre os cervunais e blocos erráticos ali instalados pelo glaciar. Continue o trajeto através do Covão das Lapas até chegar ao Lapão da Ronca, de onde se pode observar melhor o Vale Glaciário do Covão do Urso e o imenso cervunal que o cobre. Daqui o vale Glaciário segue o seu trajeto sem um trilho assinalado, sendo mais seguro o seu contorno pelo Vale do Rossim.

Atravessando a ribeira para a outra margem por entre as pedras, passe pela Fraga das Penhas e repare no contraste entre as paisagens glaciárias. As que foram deixadas para trás sofreram uma maior influência do gelo, e as que se seguem sofreram um tipo diferente de erosão, o da crioclastia. Continue pelo trilho assinalado no mapa até à barragem do Vale do Rossim, entre castelos de rochas por entre matos de sargaço, urzes e piornais. Siga o trilho à esquerda, atravesse a linha de água junto ao pequeno açude e prepare-se para entrar novamente na paisagem glaciária do Covão do Urso. Descendo a encosta, observe os arcos morénicos a jusante da barragem do Lagoacho, por entre as vertentes abruptas sucessivas cobertas pela vegetação que chega, por vezes, a atingir um porte arbóreo.

Daqui avista-se um cenário magnífico que faz com que a satisfação supere o cansaço e proporcione uma alenta descida, passando pela ponte e chegando ao Sabugueiro, onde o percurso termina.