Museu de Lanifícios

Museu

Horário de Funcionamento

  • Terça a Domingo: 09:30 – 12:00 | 14.30 – 18:00
  • Fechado: Segunda-feira; 1 Janeiro; 1 Maio; 25 Dezembro


Informação Geral

O Museu de Lanifícios da Universidade da Beira Interior foi instituído em 1989 com a finalidade de salvaguardar a área das tinturarias da Real Fábrica de Panos, uma manufatura de Estado fundada pelo Marquês de Pombal em 1764.

Sempre com o lema “os fios do passado a tecer o futuro”, este museu tem por missão a conservação ativa do património industrial têxtil e a investigação e divulgação das tecnologias associadas ao processo de industrialização dos lanifícios no território da Beira Interior, que tem por matriz a Serra da Estrela e por centro histórico a Covilhã.

Através da singularidade, autenticidade e exemplaridade dos testemunhos preservados no Museu de Lanifícios, é possível conhecer melhor uma das mais antigas indústrias, a dos lanifícios, que começou por se afirmar como um puro ato de sobrevivência da espécie humana e foi assumindo, ao longo dos tempos, uma crescente qualidade e expressão técnico-artística, que tem acompanhado o desenvolvimento das nossas sociedades até ao presente.

Atualmente, o Museu de Lanifícios é um museu polinucleado que integra os seguintes núcleos:

Real Fábrica de Panos

Classificadas como Imóvel de Interesse Público, as antigas tinturarias pombalinas reconstituem os processos manufatureiros do fabrico e do tingimento dos tecidos de lã mais utilizados em Portugal, nos finais do séc. XVIII.

Morada – Rua Marquês d’Ávila e Bolama, Covilhã

Folheto – Real Fábrica de Panos

Râmolas de Sol

Núcleo ao ar livre, constituído por um conjunto de râmolas de sol utilizadas para secagem e estiragem ao ar livre dos tecidos de lã, após passagem pelos lavadouros, pisões ou tintes, e um estendedouro para espalhar e secar ao sol a lã em rama, depois de lavada.

Morada: Estrada do Sineiro, Covilhã

Folheto – Râmolas de Sol

Real Fábrica Veiga / Centro de Interpretação dos Lanifícios

A Real Fábrica Veiga foi sede de uma empresa de lanifícios fundada, em 1764, na Covilhã por José Mendes Veiga a partir de uma oficina de tinturaria, localizada junto à Real Fábrica de Panos, de que ainda subsistem uma parte significativa das primitivas fachadas e algumas estruturas arqueológicas preservadas in situ.

Através de uma importante coleção de máquinas, equipamentos e utensílios, documentos, matérias-primas e produtos têxteis, apresenta-se a evolução tecnológica ocorrida nos lanifícios nos séculos XIX e XX. Aborda-se ainda a temática das fontes de energia, em que se salientam a roda hidráulica e a máquina a vapor.

Este núcleo acolhe ainda o Centro de Documentação/Arquivo-Histórico dos Lanifícios e afirma-se como um centro de interpretação da rota turística peninsular Rota da Lã-TRANSLANA.

Morada: Calçada do Biribau, Covilhã

Folheto – Real Fábrica Veiga

Através da Rota da Lã-TRANSLANA, o Museu de Lanifícios apela a um novo olhar para as evidências de campo associadas à cultura laneira no território da Beira interior. Tendo a lã como fio condutor, propõe percursos culturais pelo património industrial, pelas vias da transumância e seguindo o itinerário peninsular.

Folheto – Arquivo Histórico

Lugar relacionado